terça-feira, 16 de setembro de 2008

52

E um dia temos de parar.

E mudar.

O quê, não sei.

Mas temos. E devemos.

Para quê? Também não sei.

Avançar.

É aquela coisa do tempo. Do tempo para isto, do tempo para aquilo.

Das coisas que começam, que duram e que depois acabam.

Do tempo que todos falam, mas que ninguém liga.

Só ele.

Só o tempo, liga ao tempo que passa.

Só ele se dá conta.

Nós não.

E quando damos, é quase sempre tarde.

Acabou.



E agora dou-te este tempo a ti.

5 comentários:

Vekiki disse...

Boa Patti!
Gostei e revi-me neste teu tempo.
Gostei que o tivesses enviado à Ka!

Nostálgica disse...

o tempo pode condicionar tanto..
bjnho.

Duarte disse...

Avançar;
mas sem olhar ao tempo.
Ele será quem nos dirá para.
Então pararemos.
Somos assim de obedientes,
sim, pois o tempo sabe
e muito bem, como o fazer.
Antes disso,
saquemos tempo ao tempo;
abusemos do tempo;
gastemos o tempo,
malgastando o tempo,
gozando no tempo...
que nos toca viver.
Aquilo que o tempo
nos conceda de tempo.

Já está bem
de
dedicar-lhe
tanto tempo
ao tempo.

Reconhecido

:))

Camarada Choco disse...

Divulgação

Onde estavam os adolescentes no 25 de Abril?

“ Na Terra do Comandante Guélas”
António Miguel Brochado de Miranda
Papiro Editora

Filmes de Apresentação no “Youtube” em “Comandante Guélas”


Papelaria “Bulhosa” Oeiras Parque, Papelarias “Bulhosa”, FNAC ou www.livrosnet.com

O Sussurrar do Corpo disse...

adorei as palavras um sussurro...